Moradias resilientes a desastres naturais: entrevista com Santiago Caprio

ADB-Viviendas Resilientes_1

 

A Barbieri conversou com o Santiago Caprio, renomado arquiteto-urbanista argentino e vencedor do desafio Desenho de Casas Resilientes promovido pelo Banco Mundial. Conheça em detalhes o que foi este concurso e a flexibilidade do Steel Frame para sua adaptação.

 

O Resilient Homes Challenge ou em português Desenho de Casas Resilientes, aconteceu durante 2018 e foi promovido pelo Banco Mundial, Fundo Global para Redução e Recuperação de Desastres e ONU-Habitat. Foi um desafio que reuniu arquitetos, engenheiros, designers e estudantes de todo o mundo para apresentar propostas de projetos de casas sustentáveis ​​e resistentes a desastres naturais. 

Para serem aceitos, os projetos deveriam poder ser construídos a um custo muito baixo por pessoas que vivessem em áreas afetadas ou vulneráveis ​​a desastres naturais. Isso incluía:

  1. Países insulares afetados por terremotos, tempestades e inundações.
  2. Áreas montanhosas e do interior afetadas por terremotos e deslizamentos de terra.
  3. Áreas litorais afetadas por tempestades e inundações.

O projeto vencedor: moradias resilientes feitas de bambu 

Santiago Caprio é um arquiteto e urbanista argentino, e seu projeto para a construção de moradias resilientes de bambu ganhou o primeiro prêmio no Resilient Homes Challenge.

 

Quais são as características do projeto vencedor?

O projeto é uma casa unifamiliar de 45m2. No térreo encontra-se a zona diurna da residência que permite realizar várias atividades num único espaço aberto. Uma faixa sanitária também é incorporada onde o banheiro e a cozinha estão localizados. O "open space" foi pensado em Bangladesh como um lugar onde as pessoas podem cozinhar no chão, respeitando os costumes e o modo de vida das pessoas locais. No andar de cima, há uma área de descanso.

Todo o projeto foi concebido como um sistema que permite construir moradias de forma rápida e econômica, respondendo a situações de extrema emergência. Além disso, o sistema permite ser ampliado ou reduzido de acordo com as necessidades dos moradores.

 

Com o mundo todo para escolher, por que você escolheu Bangladesh como o local para desenvolver seu projeto? 

Escolhemos Bangladesh porque é um país que afronta diversos desastres naturais ao longo dos anos. É um dos lugares do mundo com mais tipos de risco de desastres naturais do planeta. É uma área de alto risco sísmico, sofre com inundações devastadoras, ciclones e furacões. É também um dos países mais pobres do mundo e achamos extremamente importante poder trabalhar em um país com alto nível de complexidade.

Também valorizamos que em Bangladesh as pessoas têm um alto senso de pertença às suas raízes, depois de uma enchente, as pessoas fazem todo o possível para se reinstalar onde costumavam viver.

 

Quantas pessoas participaram do concurso? 

Mais de 3.000 profissionais de mais de 120 países participaram do Desafio, resultando em mais de 300 apresentações de equipes. Um júri de especialistas internacionais selecionou três desenhos vencedores para cada um dos três cenários, para um total de nove vencedores e, felizmente, nossa equipe foi um deles.

 

Em qual sistema construtivo o projeto foi originalmente pensado?

Partindo do reconhecimento sociocultural, analisamos o trabalho com materiais típicos da região. Trabalhamos todo o projeto com bambu e realizamos um sistema de reforço para podermos aplicá-lo como sistema construtivo. Este ponto foi muito valorizado pelo júri na avaliação dos projetos.

  

Para desenvolver este projeto na Argentina, foi escolhido o Steel Frame. Como essa decisão foi tomada? 

Esse é um ponto muito interessante. Quando vencemos o concurso, tínhamos que apresentar o projeto nos escritórios do Banco Mundial em Washington e em outros locais selecionados ao redor do mundo.

Nessas reuniões, diversos atores nos propuseram a possibilidade de adaptar o projeto para que fosse viável construí-lo em outros países. 

Se olharmos para o mapa de riscos de problemas ambientais no nosso país, vemos que temos uma sucessão de situações ambientais de risco associadas a uma grande falta de habitabilidade na qualidade e quantidade de moradias. Entendendo isso, acreditamos ser necessário adaptar o projeto na Argentina e após uma análise decidimos entrar em contato com a Barbieri para podermos traduzir o projeto em Steel Frame 

  

Quais foram os pontos que vocês reconheceram no sistema construtivo para escolhê-lo para o projeto?

O que nos pareceu importante na hora de escolher um sistema construtivo é que fosse rápido, pois sua construção é extremamente urgente. Da mesma forma, era necessário que permitisse a personalização dos diferentes componentes para se adaptar às diferentes condições climáticas e, sobretudo, que tivesse uma baixa complexidade para a sua execução.

O projeto foi concebido com a ideia de que todas as pessoas possam construir suas casas, portanto, a construção deve ser simples e não ter componentes de peso excessivo. O fato de toda a estrutura ser aparafusada permite que qualquer pessoa execute as tarefas com facilidade.

Isso é muito importante para nós, pois além da possibilidade de construir suas casas em uma situação de tanta angústia, você dá às pessoas a chance de ter uma nova oportunidade de trabalho, e as ajuda a superar a precária situação econômica em que se encontravam.

Outro ponto valioso do Steel Frame na construção é que para construí-lo você não precisa necessariamente de ferramentas conectadas a uma fonte elétrica. Muitas das ferramentas são manuais ou podem ser operadas a bateria, portanto, esta é outra grande vantagem do sistema para situações em que, devido a um desastre natural, não há fornecimento de energia.

  

 

Cidades resilientes

Nos últimos 10 anos, desastres naturais deixaram mais de 23 milhões de desabrigados. Nesse contexto, o desenho e o planejamento de moradias resilientes podem desempenhar um papel importante para tornar as cidades mais seguras para todos os seus habitantes.

Iniciativas como o Resilient Homes Challenge renovam o compromisso com esse propósito e ajudam a apoiar a realização da Agenda 2030 e do ODS 11.1, que prevê o fornecimento de moradias seguras, acessíveis e resilientes para os mais necessitados.

Na Barbieri participamos do desenvolvimento da proposta de habitação para situações de emergência em Steel Frame, pois estamos comprometidos com o desenvolvimento sustentável da sociedade e com o cuidado ativo do meio ambiente.

Nosso negócio é baseado em um dos sistemas construtivos mais eficientes de todo o setor, por isso a sustentabilidade faz parte do nosso DNA empresarial. Procuramos inovar continuamente para continuar a desenvolver um sistema construtivo cada vez mais acessível, eficiente e sustentável.

 

Mais informações

Para saber mais sobre o sistema visite o site, o blog ou entre em contato conosco. O diálogo constante com os nossos clientes e usuários nos permite obter informação valiosa sobre o que cada um precisa para continuar crescendo.

 

Acesse aqui e conheça os produtos da Barbieri do Brasil