Como vincular uma obra em Steel Frame a uma construção existente

SF MARQ-20150904-1295

 

Explicamos passo a passo como vincular uma nova construção de steel frame a outra existente.

 

1. Verificações prévias

A parede paralela à nova construção do Steel Frame pode ser feita em qualquer outro sistema construtivo. É importante verificar previamente o correto alinhamento da parede, bem como a ausência de patologias estruturais próprias da construção, como fissuras e outros danos.

 

 

2. Preparação hidrofóbica

Para fazer a vinculação correta com a parede existente é necessário que esta tenha um correto isolamento hidrofóbico. É importante que antes da aplicação a parede esteja limpa, nivelada e sem furos. O isolamento deve ser contínuo, cobrindo toda a superfície existente tanto nas paredes quanto no piso.

 

3. Colocação de isolamento térmico do tipo EPS

Além do isolamento hidrofóbico, é necessário o correto isolamento térmico de toda a parede. Isso ajudará a evitar o aumento do consumo de energia da obra.
Para a realização deste isolamento, serão colocadas placas de EPS intertravadas, com densidade mínima de 20 kg/m e espessura necessária de acordo com o balanço térmico do projeto. A fixação à parede existente será feita com basecoat: com a parte cega da talocha, o basecoat será espalhado sobre a parede existente e no verso da placa. A seguir será trabalhado com a parte dentada, a placa ficará apoiada e se aplicará pressão em toda a superfície.

 

4. Colocação da interfase elástica

Uma banda acústica será colocada sob todos os painéis. Esta faixa (feita de espuma de polietileno) reduzirá o ruído produzido pela vibração (por impacto) e produzirá uma vedação hidráulica em todos os painéis.
É importante que a faixa acústica sempre tenha a mesma largura que a espessura do painel que será apoiado nela.

 

5. Panelizado e montagem de painéis no térreo

Nesta fase é importante prever que, ao montar os painéis que estão em contato com a parede existente, devem ser previamente travados com Blocking e Strappings, uma vez que não será possível fazê-lo depois de montados.
Os painéis devem ter no máximo 3 metros de largura e serão ancorados nas fundações por meio de âncoras químicas e mecânicas conforme indicado na engenharia de detalhamento.

 

6. Panelizado e montagem dos painéis do mezanino e do andar superior

Após o panelizado, serão montadas a estrutura do mezanino e os painéis do piso superior. Os elementos da estrutura serão interligados com a quantidade e tipo de parafusos indicados pela engenharia de detalhe.
Deve ser verificada o correto alinhamento da estrutura em relação ao térreo, a colocação de blocking e strapping a cada 1 metro, bem como a correta colocação dos reforços de apoio.

 

7. Enrijecimento horizontal da estrutura

Após concluída a montagem de toda a estrutura, continua o seu enrijecimento exterior.
Serão colocadas as placas de OSB ou multilaminado fenólico de forma intertravada, levando-se em consideração que as placas devem sempre unir o piso térreo ao piso superior. Essas placas serão fixas por meio de parafusos autobrocantes com asas.
No caso de painéis que estão em contato com a parede existente, não será possível enrijecê-los após a sua montagem, uma vez que a parede existente impedirá o acesso exterior aos mesmos. Por este motivo, após a montagem e isolamento da estrutura, esta será reforçada no interior de cada painel com placas OSB de 12 mm de espessura.

 

8. Forro e reforço do mezanino

Procederemos ao enrijecimento e colocação dos revestimentos que terá o mezanino. A composição do pacote de revestimento dependerá das necessidades e gostos do proprietário.

 

9. Colocação de lã de vidro e barreira de vapor

Será colocada a lã de vidro, cujo uso melhora e reduz o consumo de aquecimento e refrigeração, gerando uma economia de mais de 66% nas contas de gás e luz. Nos painéis externos, além de isolar térmica e acusticamente as paredes, devem ser instaladas barreiras de vapor para evitar a condensação superficial e intersticial nos painéis.
Atualmente, existem lãs de vidro que tem incorporada uma folha de alumínio que, além de não ser combustível, melhora consideravelmente o tempo de instalação dos isolamentos. A lã de vidro vem em diferentes espessuras e larguras. A espessura será condicionada pelo balanço térmico (análise de ganhos e perdas de energia) e a largura do painel da lã de vidro.
Recomendamos utilizar aquele cuja largura coincida com a da modulação dos perfis, para evitar cortes e um maior desperdício de material.
A barreira de vapor deve ser colocada continuamente em todo a superfície interna da obra. Por este motivo é sempre importante ter em consideração que, na junção entre os painéis de lã de vidro com folha de alumínio, deve haver uma sobreposição para que o isolamento seja total.

 

10. Colocação do acabamento interno

O revestimento interno pode ser placa de gesso, forro de cerâmica, placa de cimento, etc. A escolha do mesmo dependerá do uso e preferência do proprietário.

 

11. Colocação do acabamento externo

Nos painéis que não estiverem em contato com a parede existente, serão colocados após as placas de enrijecimento OSB, a barreira contravento e água para evitar infiltrações, placas de EPS para evitar pontes térmicas nas paredes e, por último, o acabamento escolhido.
Para a correta drenagem da parede, pode-se colocar uma calha de chapa dobrada na junção entre a parede existente e os painéis Steel Frame.

 

Mais informações

Para saber mais sobre o sistema visite o site, o blog ou entre em contato conosco. O diálogo constante com os nossos clientes e usuários nos permite obter informação valiosa sobre o que cada um precisa para continuar crescendo.

 

Acesse aqui e conheça os produtos da Barbieri do Brasil